Tuesday, September 30, 2008

Mau estar na Secundária de Fafe

Recurso de aluna fez disparar as notas-
A reavaliação dos exames nacionais de uma aluna do 11.º ano da Secundária de Fafe transformou notas "sofríveis" em "excelentes". Os restantes pais não se conformam e já foi pedida a intervenção do Ministério da Educação.
-Pais e alunos das turmas do 11º ano, do ano lectivo transacto, da Escola Secundária de Fafe estão revoltados com a "subida astronómica" que tiveram as notas de uma aluna que pediu recurso dos exames nacionais de Física e Química e de Biologia e Geologia. As notas transformaram-se, após o recurso da aluna, de positivas sofríveis em notas de excelência.
-"Na prova de Física e Química passou de 9,8 para 18,9 enquanto na prova de Biologia e Geologia a nota de 11,6 transformou-se em 19", explicou ao JN um dos vários encarregados de educação que se apresentam revoltados com este volte-face na classificação dos exames nacionais.
-"Como é possível que um professor avalie uma prova com uma nota muito baixa e a mesma prova seja reavaliada e colocada quase com a cotação máxima?" Esta pergunta atravessa, por estes dias, a mente de vários pais e alunos que se sentem injustiçados e descriminados pelo tratamento dado a este caso.
-
A desconfiança dos pais é ainda reforçada pelo facto de a mãe da aluna em causa ser docente naquele estabelecimento de ensino e, segundo alegam, "há cerca de três anos" ter acontecido "o mesmo com outro filho que agora até está na universidade a cursar Medicina".
-Ao que o JN apurou, em causa não está apenas uma simples reavaliação dos exames mas também um hipotético atestado médico que indica que a jovem poderá sofrer de dislexia e que a leva a não responder acertadamente às questões que na sua maioria são de escolha múltipla.
-Este assunto está a causar algum mal-estar na Secundária de Fafe onde, inclusive, terá estado nos últimos dias uma equipa de inspectores do Ministério da Educação. Esta informação não foi confirmada oficialmente ao JN, já que José Caetano, presidente do Conselho Executivo da escola, não quis pronunciar-se para já sobre o assunto.
-Esta situação é delicada porque abrange a comunidade escolar de uma pequena cidade onde quase todos se conhecem e, por esse facto, todos negam dar a cara para a reportagem do JN. A Associação de Pais também não se quis pronunciar oficialmente sobre o caso, mas o JN apurou junto de fonte próxima que "por uma questão de equidade entre todos os alunos foi pedido, através de carta, ao Ministério da Educação e ao Juíz Presidente dos Exames Nacionais que as provas de todos os alunos do 11º ano da Secundária sejam reavaliadas". (Jornal de Notícias)
-
Comentário : Como é que podem notas sofríveis (9.8 e 11,6) transformarem-se em
18,9 e 19? Algo vai mal na Secundária de Fafe e no ministério da Educação. Um rigoroso inquérito, com publicação do resultado, é o mínimo que se exige! Já repararam, que a Secundária de Fafe, até parece as Novas Oportunidades?
-

1 comment:

Fafense said...

A verdade é que aquela questão de que os exames são enviados para correcção para professores que leccionam longe da cidade onde foram feitos esses mesmos exames, de forma (supostamente) muito sigilosa não funciona necessariamente assim. Em fafe sabe-se que os exames feitos nesta escola vão ser corrigidos pelos professores da escola de sesim e vice-versa. Em meios desta dimensão em que professores, alunos e suas familias têm sempre familiares ou amigos em comum, ja se esta a ver o que acontece. Mas um caso como estes é simplesmente vergonhoso para a aluna, para os pais e para quem mais está envolvido neste esquema. Eu queimei as pestanas para entrar no curso que queria e orgulho-me de ter entrado por mérito.... podessem todos "queixar-se" do mesmo. Só se pode desejar sorte a esta rapariga quando não tiver emporrõezinhos....